diego dacal

Brands n.0

O que é preciso ter em mente na hora de se criar uma marca nos dias de hoje? Vivemos em um mundo altamente dinâmico e globalizado (aham, Cláudia, senta lá!) onde tudo acontece muito rápido e grande parte dos negócios que entrar nas interwebs tem um potencial grande de ser consumido internacionalmente, digo consumido como marca, não como produto. Ou seja, é aquela história, você tem um negóciozinho, cria uma página na internet e o mundo pode ver sua empresa. Mas e a marca? O que precisamos pensar na hora de criar uma marca?

Um nome único, fácil de memorizar. Isso já era lei antes da internet, todas as marcas que pretendiam ser grandes e internacionais pensavam em nomes que fossem pronunciáveisde forma fácil na maioria das línguas, como Kodak, Sony, Nike. Mas além de ser único é preciso que seja fácil de memorizar, portanto nada de muitas palavras ou palavras fora de contexto ou palavras muito estranhas.

Uma palavra fácil de ser buscada. Aqui eu me refiro aos buscadores na web, não só o google, mas também buscadores sociais. Uma vez trabalhei para um cliente que tinha um nome único no Brasil, mas na hora de realizar buscas sobre a marca no Twitter eu quase me matava pois a maioria das coisas que encontrava eram em japonês e sabe-se lá o que significava a palavra em japonês. Isso tornava qualquer trabalho de monitoramento extremamente difícil.

Um domínio disponível. Quantas vezes vemos marcas que precisam acrescentar palavras para poder criar um domínio? Sempre penso no caso da aviação brasileira, todas as marcas usam a palavra “voe” antes da marca. Mas esse é um caso muito específico de fail que foi convertido em win através da criação de um padrão entre as empresas e da educação do consumidor para este tipo de domínio,

Nomes disponíveis em Social Media. É praticamente a mesma coisa do item anterior, mas envolvendo uma infinidade de redes e ainda diversas redes que são criadas todas as semanas. Eu, pessoalmente, não gosto de ver marcas no Twitter usando “marca_oficial”, apesar de muitas vezes mostrar ao consumidor follower que aquilo é mesmo o oficial, para mim parece que chegaram tarde demais na rede e o nome já estava registrado. Por isso eu sou a favor da “reserva de domínio”, se aparece uma rede nova com potencial, registre a marca o mais rápido possível e deixe-o inativo e sem identidade de marca alguma, mesmo que não se encaixe na estratégia de comunicação atual, quem sabe como vai ser o dia de amanhã nas mídias sociais?

Encurtador de links. É, não bastasse domínio e social media, os links encurtados são outra coisa que devem ser pensadas. Além de auxiliar em métricas, economizar espaço em redes com limites de caracteres, esse é um outro formato que permite aos clientes lembrarem de uma ação específica ou reconhecer a marca através de um link que se viraliza.

E aí? Você consegue pensar em mais algum detalhe a se pensar na hora de criar uma marca?

Comentários

Seja o primeiro a comentar neste post!

Deixe um comentário