diego dacal

HTML5 vs. Mobile Apps

Todos que trabalhamos com internet, seja qual for o ramo, sabemos o quanto vem se falando sobre o HTML5 ultimamente. Esta linguagem de marcação que pretende substituir o HTML4.01, que já é mais que idoso e data da época da guerra dos browsers (por isso, a carência de padrões de escrita), já vem sendo suportada de forma aceitável pela maioria dos browsers de PC, Mac e Linux.

Por outro lado, muito se vem falando também do crescimento do mobile. A maioria das pessoas que eu conheço usam internet pelo celular para diversas tarefas do cotidiano, ler blogs, notícias, emails, redes sociais etc. No Brasil o uso de internet móvel já chega aos 11% dos celulares (com uma análise crítica sobre esses números, por favor), agora imaginem esse número em um país da Europa ou nos Estados Unidos, eu nem consigo imaginar qual seria o número.

Enfim, até agora falei da ascensão do mobile e da ascensão do HTML5, mas como os dois funcionam juntos? Não sei.

Ontem eu estava lendo um post do Brainstorm#9 via Google Reader Mobile e me deparei com um problema. No post havia um vídeo do iutubiu, mas, diferente dos outros feeds que recebo, ele não redirecionava o vídeo para a aplicação do Youtube, mas mostrava um erro dizendo que meu navegador não suportava HTML5 e fui ao browser tentar abrir o vídeo e ele mostrava o mesmo erro. No mesmo momento pensei que o BS#9 já era feito em HTML5 e até xinguei os early-adopters. Agora, via PC entrei no post para poder ver os vídeos e olhar o código fonte do site para ter certeza que ele era feito em HTML5, mas me surpreendi que ele não é feito, e por isso acabou com toda a minha argumentação desse post!

Para esse post não ficar sem pé nem cabeça, aproveito o debate para deixar uma sugestão aos administradores, criadores e desenvolvedores de websites. Pensem em mobile, leitores de RSS, tamanho (em Kb), na hora de fazer um site. Isso não é mais futuro, um público muito importante (sim, geeks, compradores e público fiel na nossa área) já é heavy-user de mobile.

16/02/2011

Comentários

Seja o primeiro a comentar neste post!

Deixe um comentário